Economia Criativa na Rede: O Youtuber como Novo Modelo de Negócio

Autores

  • Aline Lisboa FAAC - Unesp Bauru

Palavras-chave:

Economia criativa; Marcas; Modelos de negócios; Youtubers

Resumo

O objetivo do trabalho visa compreender de que forma os youtubers se enquadram em novos modelos de negócio na rede, tendo como foco a análise do canal Whindersson Nunes e a relação que este possui com marcas investidoras. Emprega-se o método da análise de conteúdo (Bardin,1988), em que estabelecemos a criação de categorias, tais como: uso de merchandising editorial no canal; marcas associadas ao youtuber em campanhas publicitárias e índice de influência do youtuber sobre audiência do canal. Em nossos principais resultados, encontramos, quantitativamente, índices expressivos do poder de influência de Whindersson sobre a audiência em seu canal, sobretudo por examinarmos dados relativos ao capital social, como visualizações, curtidas e comentários.

Referências

BURGESS, J.; GREEN, J. Youtube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia a e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

CRIADORES ID. O perfil dos youtubers brasileiros. Disponível: http://criadoresid.com/pesquisa-com-youtubers-brasil/. Acesso em: 11 ago. 2018.

CRISCUOLO, I; MONTEIRO, T.; NAVARRO, V. Micro influenciadores: quem são?. Disponível: http://www.meioemensagem.com.br/home/opiniao/2018/03/01/o-poder-quase-invisivel-dos-micro-influenciadores.html. Acesso em: 08 ago. 2018.

FERREIRA, M. Mesmo sem a marca Ovomaltine, milk-shake do Bob’s aumenta as vendas. Disponível: https://geekpublicitario.com.br/16063/milk-shake-bobs-aumenta-vendas/. Acesso em: 12 ago. 2018.

GREFFE, X. A Economia Artisticamente Criativa. Tradução Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras e Itaú Cultural, 2015.

HARTLEY, J. Creative industries. London: Wiley-Blackwell, 2005.

JENKINS, H. Invasores do texto: fãs e cultura participativa. Nova Iguaçu, RJ: Marsupial Editora, 2015.

MEIO&MENSAGEM. Brasil tem quatro youtubers entre os dez mais influentes. Disponível: http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2016/07/28/brasil-tem-quatro-youtubers-entre-os-dez-mais-influentes.html. Acesso em: 10 ago. 2018.

OLIVEIRA, J. M.; ARAÚJO, B.C.; SILVA, L.V. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.- Brasília : Rio de Janeiro : Ipea, 2013.

RECUERO, R. Um estudo do capital social gerado a partir de redes sociais no Orkut e nos Weblogs. In: Revista Famecos, Porto Alegre, nº 28, 2005.

SANTOS, D. Meio&Mensagem. O poder (quase) invisível dos micro influenciadores. Disponível: http://www.meioemensagem.com.br/home/opiniao/2018/03/01/o-poder-quase-invisivel-dos-micro-influenciadores.html. Acesso em: 08 ago. 2018.

SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

THINKWITHGOOGLE. Relatório Youtube Insights, 2017. Disponível: https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/youtubeinsights/2017/de-play-em-play/. Acesso em: 15 ago. 2018.

TORABIT. Consultoria de marketing digital. Disponível: http://www.torabit.com.br/. Acesso em: 19 ago. 2018.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2001.

WHINDERSSON NUNES. Canal do Youtube. Disponível: https://www.youtube.com/channel/UC3KQ5GWANYF8lChqjZpXsQw . Acesso em: 01 ago. 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

Lisboa, A. (2022). Economia Criativa na Rede: O Youtuber como Novo Modelo de Negócio. Revista Multiplicidade, 11. Recuperado de https://revistas.fibbauru.br/multiplicidadefib/article/view/580