Mídia, Tecnologia e Questões Raciais: encruzilhadas entre Perversidades, Fabulações e Possibilidades de superação de violências interseccionais

Autores

  • Alan Tomaz de Andrade FAAC - Unesp Bauru - PPG MIT

Palavras-chave:

História, Mídia, Relações raciais, Tecnologia

Resumo

Os campos midiáticos e tecnológicos não estão isentos de reproduzir racismo, preconceito e discriminação contra população negra brasileira. Frutos da operacionalização técnica humana, que está dotada de ideologias, essas ferramentas ainda hoje continuam reproduzindo uma série de violências interseccionais. Na contramão deste cenário de perversidades, temos a organização da população negra como quebra dessas barreiras, que nesta produção, serão analisadas por meio das categorias de análise da realidade concreta de Milton Santos de perversidade, fabulação e possibilidade, com o objetivo de identificar quais são os caminhos possíveis para serem trilhados no campo da superação das desigualdades.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Polén, 2019.

ANDRADE, Alan Tomaz de. A ausência de representatividade negra na mídia brasileira: Herança histórica, racismo e luta pela desconstrução de estereótipos. Monografia (Bacharelado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo) – Faculdades Integradas de Jaú. São Paulo: Jaú, p.78. 2017.

Gallego, Esther Solano (org). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Pulo: Boitempo, 2018.

MBEMBE, Achille. Necropolitics. Public Culture (Duke), v. 15-1, p. 11-40, 2003

MOURA, Clovis. Estratégia do imobilismo social contra o negro no mercado de trabalho. São Paulo: revista São Paulo em perspectiva, 2: 44-46, 1988.

MOREIRA, Adilson. Racismo Recreativo. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

NOGUEIRA, Sidnei. Intolerância Religiosa. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Jandaíra, 2020.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SANTOS, Gevanilda Santos. Relações raciais e desigualdades no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2009.

SHINAR, D. Mídia democrática e jornalismo voltado para a paz. Líbero- Ano XI- n° 21-Jun 2008.

SILVA, Tarcízio da. Visão computacional e racismo algorítmico: branquitude e opacidade no aprendizado de máquina. Revista ABPN. V. 12, n 31. dez 2019 – fev 2020, p. 428-448. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/339514173_Visao_Computacional_e_Racismo_Algoritmico_Branquitude_e_Opacidade_no_Aprendizado_de_Maquina> Acesso em: dez, 2022.

SILVA, Tarcízio da. Teoria racial crítica e comunicação digital: conexões contra dupla opacidade. In: POLIVANOV, B; ARAUJO, W; OLIVEIRA, C.C.G; SILVA, T (orgs). Fluxos e redes sociotécnicas: das micronarrativas ao big data. São Paulo: INTERCOM, 2019.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro. Leya, 2017.

WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais. Tradução Gabriel Cohn. São Paulo: Ática, 2006.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

Tomaz de Andrade, A. (2022). Mídia, Tecnologia e Questões Raciais: encruzilhadas entre Perversidades, Fabulações e Possibilidades de superação de violências interseccionais . Revista Multiplicidade, 11. Recuperado de https://revistas.fibbauru.br/multiplicidadefib/article/view/583