A importância da residência artística para as artes visuais: a viagem de Christus Nóbrega para a China

Autores

  • Miriam Giberti Pattaro FIB Bauru

Palavras-chave:

Residência artística, Christus Nóbrega, China, artes visuais, diversidade cultural.

Resumo

Este trabalho, de caráter bibliográfico, tem como objetivo refletir sobre a prática da residência artística para as artes visuais e apresentar essa experiência do artista brasileiro Christus Nóbrega na China, em 2015. O trabalho relata como, através de uma bolsa cedida pelo governo brasileiro, via Ministério das Relações Exteriores, ele desenvolveu trabalhos que remetem tanto à cultura brasileira, nordestina sobretudo, e à cultura chinesa. Após seis meses imersos nessa sociedade oriental, Christus Nóbrega retornou ao Brasil e promoveu uma exposição itinerante que deixa evidente esse diálogo. O resultado dessa experiência são as obras, aqui descritas e comentadas, sendo que ao final algumas são analisadas, com o intuito de deixar evidente a riqueza e importância de uma iniciativa como essa para o âmbito artístico. Além da Introdução e Conclusão, o trabalho apresenta em seu desenvolvimento três ítens: o primeiro refere-se à residência artística, em que se apresenta e discute-se a importância dessa atividade para a carreira de um artista e para as artes em geral; o ítem seguinte trata da residência artística de Christus Nóbrega na China; e o terceiro ítem apresenta a análise de algumas obras produzidas por ele a partir dessa vivência em terra estrangeira. Pretende-se assim deixar evidente que a residência artística de Christus Nóbrega não foi importante apenas para o artista, mas para toda sociedade, que através dessa experiência individual tem a oportunidade de conhecer outras culturas e refletir sobre questões diversificadas.

Biografia do Autor

Miriam Giberti Pattaro, FIB Bauru

Doutora em Letras e Docente do Ensino Superior

Referências

BEZERRA, André; VASCONCELLOS, Ana (org.). Mapeamento de residências artísticas no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 2014.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRASIL. Plano de Ação MRE/CRBE 2011/2012. Ministério das Relações Exteriores.
Disponível em http://brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/associativismo-e-politicas-para-as-comunidades/ata-consolidada-de-demandas-e-prestacao-de-contas/ata-consolidada-de-demandas-e-prestacao-de-contas/prestacao-de-contas-no-51.pdf. Acesso em: 04 de out. de 2019)

CANCLINI, Néstor García. A sociedade sem relato: antropologia e estética da iminência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DALCOL, Francisco. Residência artística e modo de atuação em redes: a viagem como estratégia investigativa. In: 24 encontro da ANPAP. Santa Maria, RS, 2015.

HORA, Daniel. Residências artísticas: as múltiplas direções dos trânsitos contemporâneos. Caderno Videobrasil. São Paulo: Associação Cultural Videobrasil, vol. 2, n. 2, 2006, p. 54-77.

MORAES, Marcos José Santos. Residência artística: ambientes de formação, criação . e difusão. 2009.134p. Tese. (Doutorado em Projeto, Espaço e Cultura). FAUUSP, São Paulo, 2009.

NÓBREGA, C. Currículo Lattes. Disponível em http://lattes.cnpq.br/1158798915256133. Acesso em: 04 de out.de 2019.

NÓBREGA, Christus. Site oficial .Disponível em https://www.christusnobrega.com/. Acesso em: 04 de out. de 2019)

NÓBREGA, Christus; AZAMBUJA, Renata Dragão Floresta Abundante: a aventura de Christus Nóbrega na China. Brasília, Mira Produção e Arte, 2017. 128 p.

SCARTEZINI, Bernardo. Christus Nóbrega participa de intercâmbio na China. Jornal Metrópoles. Brasília, 08 de set. de 2015. Disponível em https://www.metropoles.com/entretenimento/exposicao/o-homem-que-estuda-mandarim. Acesso em: 04 de out. de 2019.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Giberti Pattaro, M. (2019). A importância da residência artística para as artes visuais: a viagem de Christus Nóbrega para a China. Revista Multiplicidade, 9(9). Recuperado de https://revistas.fibbauru.br/multiplicidadefib/article/view/427