Reflexões sobre a pluralidade de olhares para a comunicação entre os gestores de uma organização de TI

Autores

  • Tainah Schuindt Ferrari Veras FIB Bauru

Palavras-chave:

Comunicação, Organização, Gestão.

Resumo

O estudo tem o objetivo de refletir sobre as compreensões de comunicação que diferentes gestores de uma mesma empresa possuem, tensionando convergências e divergências entre as visões desses profissionais a fim de apontar possibilidades para que a comunicação nas organizações seja encarada como um processo plural que é responsabilidade de todos. Parte-se do pressuposto de que, apesar da comunicação ser entendida em vertentes teóricas contemporâneas como constituinte da organização, na prática a visão dos processos comunicacionais ainda está restrita a um olhar mais setorizado que carece de reflexões aprofundadas. O estudo tem um caráter exploratório e qualitativo, e se pauta em uma pesquisa bibliográfica e em uma pesquisa aplicada em uma empresa de médio porte do setor de tecnologia da informação de Bauru-SP.

Biografia do Autor

Tainah Schuindt Ferrari Veras, FIB Bauru

Doutoranda e Mestre no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faac/Unesp; Professora das Faculdades Integradas de Bauru (FIB)

Referências

ABERJE. Pesquisa 2008: comunicação corporativa das organizações. São Paulo: ABERJE, 2009. Disponível em: https://goo.gl/5bFdEV. Acesso em 10 ago 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2000.

CAGLIONI, C.; VERAS, T.; PORÉM, M. E. Reflexões sobre a comunicação nas organizações sob a ótica de estudantes de Administração. In: XL Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba, 2017. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0699-1.pdf. Acesso em: 09 ago. 2018.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002

D’ALMEIDA, N.; ANDONOVA, Y. A comunicação das organizações. Anuário Unesco/Metodista de Comunicação Regional, 12, n. 12, jan/dez. 2008. p. 31-42.

DEETZ, S. Comunicação organizacional: fundamentos e desafios. In: MARCHIORI, M. (org.). Comunicação e organização: reflexões, processos e práticas. São Caetano do Sul, SP: Difusora Editora, 2010. Pg.83-101.

DUARTE, J; MONTEIRO, G. Potencializando a comunicação nas organizações. In. KUNSCH, M.M.K (org.). Comunicação organizacional: linguagem, gestão e perspectivas, volume 2. São Paulo: Saraiva, 2009. p.333-359.

FAUSTO NETO, A. Comunicação das organizações: da vigilância aos pontos de fuga. In: OLIVEIRA, I. L.; SOARES. A. T. N. Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2008. p. 39-64.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. 22 ed. Porto Alegre: L&PM, 2017.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katalysis, v. 10, 2007. p. 35-45.

MANUCCI, M. Atrapados en el presente: la comunicación, una herramienta para construir el futuro corporativo. Quito - Ecuador: Editorial “Quipus”, CIESPAL, 2005.

MARCHIORI, M. Cultura e comunicação organizacional: uma perspectiva abrangente e inovadora na proposta de inter-relacionamento organizacional. In: MARCHIORI, M. (Org). Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2006.

MARCHIORI, M. Cultura e comunicação organizacional: um olhar estratégico sobre a organização. 2.ed. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2008.

MARCONDES FILHO, C. Para entender a comunicação: contatos antecipados com a nova teoria. São Paulo: Paulus, 2008.

MASSONI, S. El espesor de la comunicación. La ventana, médios y comunicación. p. 12, 2009. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/laventana/26-119478 2009-02-04.html. Acesso em: mai. 2016.

MICHAELIS. Verbete “comum”. 2016. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portuguesportugues&palavra=comum Acesso em: 02 fev. 2018.

MORENO, A. et al. Latin American Communication Monitor 2016-2017. Tendencias en comunicación estratégica: big data, automatización, engagement, influencers, couching y competencias. Resultados de una encuesta en 17 países. Madrid: DIRCOM/EUPRERA, 2017.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em administração, São Paulo. v. 1, n. 3, 2º sem.1996.

REBOUÇAS, N. A comunicação como agente de transformação do ambiente empresarial. In: KUNSCH, M. M. K. A Comunicação como fator de humanização das organizações. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2010. p. 185-201.

SEBRAE. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. julho/2014. Disponível em: https://goo.gl/QdcjYP. Acesso em: 10 jul. 2017.

SERRES, M. Atlas. Paris: Flammarion, 1996.

SPINK, P. K O resgate da parte. Revista de Administração, v. 26, n. 2, p. 22-31, jun. 1991.

SPINK, P. K Organização como fenômeno psicossocial: notas para uma redefinição de psicologia do trabalho. Psicologia e Sociedade, v. 8, n. 1, p. 174-92, 1996.

WOLTON, D. Pensar a comunicação. Trad. Zélia Lea Adghirni. Brasília: Editora UNB, 2004.

WOLTON, D. É preciso salvar a comunicação. Trad. Vanise Pereira Dresch. São Paulo: Paulus, 2006.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Schuindt Ferrari Veras, T. (2019). Reflexões sobre a pluralidade de olhares para a comunicação entre os gestores de uma organização de TI. Revista Multiplicidade, 9(9). Recuperado de https://revistas.fibbauru.br/multiplicidadefib/article/view/434