Contradições da diversidade racial no discurso institucional das empresas: essência e aparência do ambiente mecadológico das marcas

Autores

  • Carina Nascimento FIB Bauru | FAAC - Unesp Bauru
  • Lucas Roberto Gonzaga

Palavras-chave:

Marcas, Identidade Corporativa, Ações práticas, Relações étnico-raciais

Resumo

O mercado corporativo, que materializa a realidade racializada, é abastecido pela presença de marcas nacionais ou globais, que atendem à uma perspectiva capitalista de lucro e remuneração de capital, dentro de uma lógica neoliberal. Nesse sentido, as marcas antes de se apresentarem de forma mercadológica aos seus diferentes públicos, comunicam uma narrativa que pode gerar mais confiança e credibilidade aos mesmos. Do ponto de vista conceitual, isso se transforma numa grande necessidade de mercado, no entanto, em muitas situações o discurso teórico da identidade corporativa, não se aplica ao que de fato acontece no dia a dia. Em setembro de 2021, uma delegada negra foi barrada ao entrar nas dependências da Loja Zara num Shopping do Ceará, enquanto outras pessoas não-negras transitavam livremente pela loja. Os funcionários da loja foram orientados a usar o código "Zara zerou" no circuito interno de alto-falantes da loja para alertar quando clientes negros "suspeitos" entravam na loja (G1, 2022). Analisando o site da empresa a missão da marca é “o cliente no centro do modelo de negócio". Nesse sentido, o presente trabalho tem a missão de analisar a relação entre teoria e prática das marcas no ambiente mercadológico, a partir de questões racializadas. 

Referências

AAKER, David. Construindo marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2007.

BRADESCO. Identidade corporativa. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas. Acesso em: 10 out. 2022.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CORREIO 24H. Loja Zara em Salvador é acusada de racismo após homem negro ser abordado. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/loja-zara-em-salvador-e-acusada-de-racismo-apos-homem-negro-ser-abordado/. Acesso em: 21 out. 2022.

FÁBRICA. Zara, 2020. Disponível em: https://fabricacamisaria.com.br/>. Acesso em: 10 out. 2022.

G1 Ceará. Delegada negra é barrada em loja em Fortaleza, e polícia investiga suspeita de racismo. Portal G1 CE: Globo, 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2021/09/20/mulher-negra-e-barrada-em-loja-de-fortaleza-e-policia-investiga-suspeita-de-racismo.ghtml. Acesso em: 21 out. 2022.

IBGE. Indicadores sociais no Brasil, 2018. Disponível em: http://www.bradescori.com.br/siteBradescoRI/Paginas/servicos/123_Informa%C3%A7%C3%B5esCadastrais.aspx. Acesso em: 10 out. 2022.

KOTLER, P. & ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. Prentice-Hall do Brasil Ltda. Edições, 2009.

LUPETTI, Marcélia. Gestão estratégica da comunicação mercadológica. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MBEMBE, Achille. Necropolítica – Artes & Ensaios. – Rio de Janeiro: Revista do ppgav/eba/ufrj, 2018

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 2016.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2020

ZARA. Histórico, 2022. Disponível em: ://www.zara.com/br/ . Acesso em: 10 jul. 2022.

WEST, Cornel. Genealogy of modern racism. In: Prophesy deliverance! An afroamerican revolutionary Christianity. Westminster John Knox Press: Louisville, KY; London, 2002.

YANAZE, Mitsuru. Gestão de Marketing e Comunicação. São Paulo: Saraiva, 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

Nascimento, C., & Gonzaga, L. R. (2022). Contradições da diversidade racial no discurso institucional das empresas: essência e aparência do ambiente mecadológico das marcas. Revista Multiplicidade, 11. Recuperado de https://revistas.fibbauru.br/multiplicidadefib/article/view/598

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)